sexta-feira, 4 de novembro de 2011

O meu coração desfalece




Quando o sol dorme nebuloso
Digitalizo no lado oeste do coração
A nossa historia de amor com
Sua presença na esteira do acaso


Um gancho que aparece no mar que construo
Chega a madrugada de um passado escuro
Cega meus sentidos, o efêmero
Com miragens, o véu de uma mulher


Que morreu em um amargo naufrágio
Sufocada pelas cobranças, matando o brilho
Do seu eu poético do oceano do seu amor
Pulando ao abismo para acorrentar as neuroses


As suas cadeias tecem uma marcha nupcial
Para a morte que não quer morrer
Quando o sol se põe, eu sonho
E meu coração desfalece


Rosangela Colares 04/11/2011